Uso de genética na agricultura: objetivo e benefícios

  • Agronegócio

O uso de genética na agricultura tem como principal objetivo atenuar os impactos do aquecimento global. Impactos estes orientados pelo crescimento descontrolado da população e constantes desafios com mudanças climáticas e fenômenos naturais capazes de devastar as terras produtivas ​​e reduzir a qualidade e a quantidade das colheitas.

Uma das maiores preocupações da ciência é a possibilidade de ocorrer uma crise alimentar a nível global. Essa situação levou cientistas a pesquisarem estratégias inovadoras com o objetivo de aumentar o rendimento das culturas.

Gostaria de compreender o uso dos métodos de melhoramento genético na agricultura? Acompanhe a leitura!


Aluguel de máquinas para o agronegócio!

Máquinas para plantio, colheita e transporte


O que é melhoramento genético agrícola?

Melhoramento genético agrícola é uma metodologia utilizado por cientistas para gerar resultados otimizados nas operações rurais. Os procedimentos exigem a manipulação dos dados genômicos ou da genética das culturas para que se tornem mais resistentes e promissoras. Através destes procedimentos é possível aprimorar as plantações e prever como os organismos vão responder aos diferentes fatores de exposição.

Os melhoramentos genéticos são relevantes para que as culturas resistam às influências das mudanças climáticas e ao tipo de solo de cada região. A tecnologia ajuda a controlar doenças, fazer prognósticos e beneficiar o desenvolvimento das plantas. Os pesquisadores compreendem quais são os genes mais relevantes e conseguem facilitar a produção agrícola.

Como funciona o melhoramento genético?

As técnicas de melhoramento genético exploram a variação natural dos genes dentro e entre as mais variadas espécies. Os cientistas procuram expressões gênicas cujos padrões são conservados para manter uma determinada característica. Essas pesquisas são fundamentais para melhorar os resultados agrícolas, pois os vegetais precisam de nutrientes importantes para o seu desenvolvimento saudável.

Compreenda para que o melhoramento genético é usado

O melhoramento genético é indicado para todos os agricultores ou gestores do agronegócio que buscam formas eficientes de aumentar a produção das culturas. Ele traz sustentabilidade e confiabilidade para a produção de culturas de todos os tipos, diminui a necessidade de fazer investimentos elevados em fertilizantes e aumenta as chances de obter ótimos resultados.

Os métodos que aperfeiçoam a genética das culturas aumentam a sua resistência à seca e ajudam a controlar a geração de biomassa. As suas abordagens são desenvolvidas para identificar quais culturas têm genes favoráveis ​​em todos os aspectos para elevar a segurança das lavouras. Elas servem também para prevenir a potencial crise global decorrente da falta de alimentos.

Confira os principais métodos usados no melhoramento genético

A ciência que trabalha em prol das inovações enfrenta enormes desafios referentes à engenharia genética. Por outro lado, os processos e o uso da genética podem ser redefinidos com os avanços científicos e tecnológicos. Porém, já existem alguns métodos reconhecidos e aprovados que possibilitam a aplicação de técnicas que modificam as culturas. Observe alguns deles!

Mutagênese

Mutagêneses são alterações genéticas efetuadas para trocar, adicionar ou retirar nucleotídeos de bases A, C, G e T do DNA dos vegetais. Essas mudanças genéticas podem gerar características aprimoradas e, por causa disso, os pesquisadores induzem essas mutações usando produtos químicos ou radiação. Essa técnica é utilizada desde o século XX para aprofundar cores.

Edição do genoma

Esse é o processo que tem o potencial de cortar, substituir ou inserir novos genes dentro das sementes com o auxílio de nucleases chamadas pelos cientistas de tesouras moleculares. Elas são chamadas de enzimas por ter a capacidade de remover, soltar e adicionar nucleotídeos, inclusive são projetadas artificialmente para o uso preciso dos genes desejados no genoma da cultura.

Transgênese

É um procedimento que permite incorporar os genes de uma cultura em outra. Isso é possível porque o código genético pode ser lido pelos organismos vivos, o que significa que os genes introduzidos conseguirão codificar as proteínas. Há muitas maneiras de introduzir essas novas características, por exemplo, com a eletricidade ou bactérias.

Engenharia genética

A engenharia genética é uma metodologia que possibilita aos cientistas copiar genes com um aspecto desejado de determinado organismo para colocá-lo em outro. Essa prática tem sido usada desde os anos 70 e tem como base os avanços científicos oriundos dos estudos do DNA. Os cientistas conseguem esterilizar ou fertilizar sementes indo muito além da opção de cruzamento de espécies.

Conheça os benefícios do uso de melhoramento genético

O melhoramento genético oferece benefícios nutricionais provenientes da ingestão de vegetais geneticamente modificados. Eles podem ter vitaminas e minerais adicionados pelos processos de modificação realizados pelos cientistas para beneficiar a saúde dos consumidores.

Esse é um fator importante para países em desenvolvimento, onde agricultores têm menos acesso aos recursos tecnológicos. Confira abaixo outras vantagens desses procedimentos:

  • culturas transgênicas podem oferecer melhorias no paladar, com sabores aprimorados e mais palatáveis;
  • produção de sementes melhoradas, com DNA modificado para que as plantas permaneçam saudáveis, resistentes aos insetos e ervas daninhas;
  • maior resistência contra doenças inesperadas, condições climáticas adversas e severas;
  • redução do uso de produtos químicos, maquinários e terras com a consequente diminuição das emissões de gases de efeito estufa.

Portanto, os agricultores que usam sementes geneticamente alteradas alcançam maior produtividade sem ter que investir em fertilizantes e inseticidas. A utilização da biologia molecular e das mudanças genéticas é fundamental para produzir proteínas, vacinas e outros insumos farmacêuticos. Os cientistas encontram substitutos biológicos que geram menos efeitos colaterais para a saúde humana do que as substâncias químicas aplicadas nas plantas.

Veja exemplos de melhoramento genético

Um dos maiores exemplos de melhoramento genético é o aumento da tolerância do arroz à salinidade, secas, temperaturas elevadas e outros estresses abióticos. A edição genética realizada nas plantas que produzem bananas possibilitou o desenvolvimento de uma variedade semi-anã mais resistente às mudanças climáticas, tempestades, tufões e ventos intensos.

Os pesquisadores também conseguiram fazer edições nas sementes de milho para que se tornem mais tolerantes à escassez de água para diminuir a irrigação artificial. Eles inseriram um gene que permite maior rendimento de grãos ainda que faltem as chuvas ou os recursos hídricos durante a floração. Também foram realizadas modificações na genética do trigo, tomate e outras culturas.

E, não podemos esquecer do feijão-caupi, que segundo pesquisas da Embrapa, teve uma melhora genética de sucesso.

Agora você já sabe um pouco mais sobre o uso de genética na agricultura! Os métodos de alteração dos genes trazem muitas vantagens, como produtividade aumentada nas entressafras, produção de alimentos mais nutritivos, menor uso de defensivos agrícolas e mais resistência às pragas. O melhoramento genético enriquece as culturas com betacaroteno, ômega 3 e outros nutrientes.

Gostou do artigo? Então continue a leitura e descubra o que é a agricultura 4.0!

Gerar oportunidades e desenvolvimento para um mundo cada vez mais produtivo e sustentável