Conheça os principais tipos de caminhão e como classificá-los

  • Máquina

Para atender às diversas necessidades dos transportes de cargas, é preciso conhecer os tipos de caminhão e suas características, que proporcionam melhor fluidez, redução de tempo e aumentam a produtividade industrial da operação, e da empresa como um todo.

Afinal, compreender as utilidades de cada modelo, assegura maior eficiência e economia aos trabalhos. Justamente por isso, preparamos esse conteúdo completo, explicando detalhes, como escolher o tipo ideal e quais são as classificações existentes. Acompanhe!


Aluguel de Caminhão Basculante – 10 a 20m³

Carregamento, movimentação e despejo de carga


Como é feita a classificação dos caminhões?

De forma sucinta, a classificação dos caminhões é observada de acordo com o comprimento máximo, a capacidade máxima e o peso bruto máximo do equipamento. Respeitando as especificações informadas de cada veículo, será possível ter melhor economia com manutenções, maior aproveitamento do veículo e agir conforme às leis.

Para entender melhor, essa classificação é dividida em modelos a depender da circulação dos veículos.

Para perímetros urbanos, por exemplo, são subdivididos em três e especificados da seguinte maneira:

  • veículos leves: compreendem os urbanos (VUC) que explicaremos mais à frente, apresentam comprimento máximo de até 6,3 metros e capacidade de 3 toneladas;
  • caminhão semipesado: modelos que apresentam um só eixo, capacidade máxima de 6 toneladas e peso bruto máximo de 16 toneladas;
  • caminhão pesado: apresenta eixo duplo, comprimento máximo de 14 metros e capacidade máxima de 23 toneladas.

Eles são ideais principalmente para distribuição de alimentos, entrega de gás, guincho e demais serviços essenciais.

Para cargas mais pesadas — os modelos principalmente destinados para transportes rodoviários — seu seccionamento é de um total de 6. As diferenças entre eles são, principalmente, a força motriz (motor), cabine do motorista e rodas de tração.

A parte motriz é chamada de cavalo mecânico e pode ser acoplada com diferentes tipos de semirreboque (módulos de carga). Estes precisam do acoplamento do cavalo mecânico para sustentação.

O módulo de carga para reboque, por sua vez, atua de forma independente e pode ser engatado, diretamente no caminhão ou em outro módulo. Inclusive, eles podem ser fechados em formatos como baú ou siders, com abertura lateral para alimentos e bebidas; frigorífico; cargas líquidas para combustível (tanques) e para granel (grãos e minérios).

Além disso, o formato aberto é caracterizado por carroceria aberta (para cargas secas); grade baixa para madeira; cegonheiros para cargas de veículos; gaiola para botijão de gás de cozinha; caçamba para entulhos e plataformas para maquinários. De forma geral, a tração desses tipos de caminhões para carga pesada aumenta de acordo com a quantidade de eixos do conjunto.

Os 6 principais modelos dessa categoria são:

  • cavalo mecânico (caminhão extrapesado): possui eixo simples, com apenas duas rodas de tração e necessita de semirreboque;
  • cavalo mecânico trucado ou LS: apresenta eixo duplo e depende de semirreboque;
  • carreta de dois eixos: tem comprimento médio de 18,15 metros e capacidade máxima de 33 toneladas;
  • carreta de três eixos: diferentemente do modelo anterior, possui cavalo mecânico simples com semirreboque de 3 eixos, comprimento de 18,15 metros e capacidade máxima de 41,5 toneladas;
  • bitrem ou treminhão: composição de veículos que apresentam ao todo 9 eixos e capacidade de 57 toneladas;
  • carreta cavalo trucado: apresenta semirreboque de 3 eixos, comprimento de 18,15 metros e capacidade máxima de 45 toneladas.

Vale pontuar que a escolha errada do modelo acarretará maiores reparos com as manutenções corretivas, a qual é considerada desvantajosa por serem mais caras.

Portanto, durante o planejamento da operação, considere os pontos acima e, claro, as peculiaridades da sua demanda.

Tenha em mente que, os tipos de caminhões mais utilizados no país são os adaptados às condições de escoamento de insumos.

Quais são os principais tipos de caminhão no Brasil?

De forma geral, os 10 os modelos predominantes no país são divididos conforme a necessidade e as restrições determinadas pelo Contran (Conselho Nacional de Trânsito).

Isso acontece, principalmente, porque há mais de 100 municípios que dispõe a respeito de limites operacionais relacionados a esse tipo de veículo.

Confira os modelos:

VUC (Veículo Urbano de Carga)

Também conhecido como caminhão ¾, o modelo VUC é a categoria de caminhão voltada para áreas urbanas. Conforme o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), os veículos dessa classificação devem ter largura máxima de 2,2 metros e comprimento inferior de 7,3 metros. Além disso, o seu peso máximo é de 3 toneladas. Ideal para facilitar a logística de transporte de cargas em grandes cidades pelo seu tamanho.

Outra característica desses veículos é que eles possuem dois eixos (um frontal e outro traseiro) e controle de emissão de poluentes ao meio ambiente. A sua carroceria é no formato baú, sendo mais indicado para transporte de cargas secas e embalagens.

Para dirigir o VUC, é necessário apenas a carteira de habilitação tipo B. Os principais setores que utilizam este tipo de veículo são:

  • correios e demais serviços de entregas;
  • abastecimento de mercados;
  • recolhimento do lixo.

Toco (caminhão semipesado)

Esta categoria apresenta dois eixos na carroceria com um frontal e outro traseiro. A sua capacidade máxima é de 6 toneladas e o peso bruto chega a 16 toneladas. De forma geral, apresenta duas opções:

  • o modelo com traseiro simples (com uma roda de cada lado) com peso bruto máximo de 12 toneladas;
  • o duplo (com duas rodas de cada lado) com peso bruto máximo de 16 toneladas.

A depender da configuração da carroceria, pode desempenhar funções como mudanças e transporte de cargas em geral. Confira as principais categorias em que ele pode desempenhar:

  • grade baixa: utilizado em frete de áreas urbanas e cargas secas;
  • plataforma: para transporte de veículos e maquinários maiores;
  • baú sider: também destinado para cargas secas, contudo, apresenta lona a qual protege os insumos de fatores externos;
  • tanque: transporte de líquidos como combustível;
  • basculante: destinado para transporte de cargas a granel e movimentação de terra.

Para questões de segurança, o modelo duplicado é uma das melhores opções para promover maior estabilidade nas estradas. Isso evita possíveis acidentes contra imprevisto como, por exemplo, casos em que algum pneu estoure, funcionando como suporte para manter o veículo firme.

Truck

Também conhecido por caminhão 6×2, o modelo Truck é um dos tipos de caminhão que apresenta o mesmo comprimento do modelo anterior, Toco, com 14 metros e pode confundir.

Porém, a principal diferença dessa categoria é apresentar 3 eixos, divididos em simples e duplo, com um frontal e dois na traseira:

  • o eixo simples se encontra na parte dianteira do caminhão, apresentando uma roda em cada lado;
  • o eixo duplo fica alocado na parte traseira e possui quatro rodas na traseira, duas de cada lado.

Nesse modelo, a tração é traseira, sendo que geralmente apenas um dos eixos recebem força motriz gerada pelo motor. A capacidade pode chegar entre 19,5 e 23 toneladas e varia a depender dos eixos traseiros.

Nessa categoria, também há os bitrucks e muitos se confundem, contudo, eles não são iguais. Estes apresentam eixos duplos tanto na traseira, como na dianteira. Escolher o modelo truck ideal dependerá das necessidades da empresa. Para mercadorias com grande peso, os trucks mais indicados serão as unidades tratoradas e, para pesos mais leves, os modelos compostos por monoblocos.

Caminhão basculante

Para o perímetro urbano, os mais utilizados para esta categoria é o caminhão basculante, pois é destinado principalmente para construções civis e transporte de materiais como granel. Ele é extremamente versátil com a caçamba articulada. Para melhor utilização da movimentação de materiais, é recomendada a utilização da pá carregadeira. Ele apresenta os principais benefícios:

  • ótimo transporte para resíduos ou materiais a granel;
  • praticidade de descarga devido à sua traseira móvel;
  • melhor segurança na hora do deslocamento do material.

O seu tamanho varia a depender da necessidade. Pode-se escolher o semipesado, o qual suporta até 6 toneladas e chegar a 14 metros de comprimento; pesado, com o mesmo comprimento e contar com três eixos (um dianteiro e outro traseiro) e bitruck, com dois pares de eixos tanto dianteiros como traseiros.

Caminhão comboio

O caminhão comboio é destinado para transporte de líquidos inflamáveis com o máximo de segurança. É um dos tipos de caminhão utilizado em grandes obras especialmente para abastecer maquinários e o único modelo capaz de transportar combustível inflamável e lubrificante da maneira correta.

É de extrema importância as empresas garantirem a segurança do transporte de líquidos inflamáveis da maneira correta e, além disso, estarem em alinhamento às normas da ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres). Caso haja irregularidades, as penalidades podem ser multas, apreensão do veículo e indiciamento do condutor responsável.

Inclusive, outro fator importante é apresentar o comprovante original do motorista que ateste a realização do curso de Movimentação e Operação de Produtos Perigosos (MOPP), documento exigido pelo Contran. A capacidade máxima desses modelos gira em torno de 6 mil litros.

Caminhão tanque

Este modelo de caminhão é um veículo que apresenta um amplo reservatório para transporte de líquidos inflamáveis. Diferentemente do comboio, o tipo tanque comporta até 50 mil litros de combustível. Também deve ter o máximo de segurança e de acordo com a legislação específica. Além disso, eles podem ter até 3 compartimentos: um para gasolina, outro para diesel e álcool.

O órgão competente que deve cumprir as exigências é o Contran e é exigido que o gestor de troca tenha conhecimento das leis deste transporte rodoviário. Esses modelos devem ter o tanque revestido de aço e produtos de alto teor de pH. Além disso, devem ter isolamento térmico e calotas de fibra. É crucial que os modelos sejam devidamente refrigerados.

Munck

O caminhão Munck é um dos tipos de caminhão destinado a elevar e transportar grandes cargas. Ele é montado sobre o chassi de um caminhão convencional, especialmente um chassi alongado, com um guindaste.

Além disso, é muito utilizado em lugares restritos com limitação de altura nos trabalhos de construção civil, indústrias, usinas e trabalhos de mobilidade com cargas pesadas. O seu braço hidráulico permite melhor versatilidade no transporte nos diversos tipos de insumos.

Ademais, é um modelo que não apresenta restrições de tráfego em rodovias e pode realizar viagens a longas distâncias sem a necessidade de liberação de órgãos públicos como o Contran.

Caminhão pipa

O caminhão pipa apresenta configurações próprias para irrigação, abastecimento de água, lavagem de vias e serviços de terraplanagem na construção civil. Embora seja popularmente conhecido em ser utilizado por órgãos públicos para abastecimento de lugares carentes com falta de água, também pode transportar outros produtos químicos.

Uma das principais diferenças do caminhão pipa para o modelo tipo tanque é a sua fabricação. Os modelos que transportam água não possuem regulamentação de segurança, que tem como foco o revestimento ideal e a maior resistência dos veículos. De forma geral, para transporte de água potável, os fabricantes oferecem revestimento interno especial, apresentando laudo de potabilidade.

Prancha

Esse é um dos tipos de caminhão ideal para transporte de outros maquinários como chapas, tratores de rodas, barras de aço, engradados e sacarias. É conhecido como carreta prancha e suporta peso de até 60 toneladas em média. Ele é preparado exclusivamente para esse tipo de material — considerados cargas indivisíveis — além de proporcionar proteção com sua estrutura de pistões hidráulicos contra impactos na estrada.

Portanto, é possível encontrar modelos com 2, 3 e 4 eixos com variação das pranchas e sua forma, as quais podem ser rebaixadas ou planas. Já as rampas podem ser hidráulicas e mecânicas. Para utilizar esse caminhão corretamente, é preciso respeitar o planejamento, como as dimensões do modelo para ver a compatibilidade com os maquinários a serem transportados.

Carreta

As carretas, por sua vez, se adaptam às variadas exigências do transporte rodoviário. São robustas suportando cargas de 33 a 74 toneladas e podem apresentar carroceria aberta e fechada. Para entender melhor, esses veículos são articulados e sua principal característica é sua divisão em duas partes: a carroceria e o cavalo.

A carroceria refere-se ao compartimento em que fica a carga. Já o cavalo é a parte frontal, especificamente a cabine do motorista em que igualmente se localiza o motor e as rodas de tração. As carretas são divididas em subcategorias que compreendem em:

  • carreta semirreboque ou cavalo mecânico: apresenta 2 eixos simples, em que um deles é tracionado o peso máximo de carga e é considerado um veículo extrapesado;
  • carreta LS ou cavalo mecânico trucado: apresenta dois eixos, sendo que o traseiro é duplo. O peso dessa carreta varia conforme o semirreboque anexado e é considerado um veículo extrapesado;
  • carreta 2 eixos: apresenta 3 eixos no cavalo mecânico e 2 eixos no semirreboque. Sua capacidade máxima compreende até 33 toneladas e comprimento máximo de 18 metros;
  • carreta 3 eixos: esse tipo de carreta apresenta 2 eixos no cavalo e 3 eixos no semirreboque. Sua capacidade máxima compreende até 41,5 toneladas e comprimento máximo de 18 metros;
  • bitrem ou treminhão: composto de um cavalo trucado com 2 semirreboques, pode apresentar 7 ou 9 eixos, com comprimento máximo de 30 metros e possui duas articulações;
  • rodotrem: ele é composto por um cavalo mecânico trucado com dois semirreboques, 9 eixos, capacidade máxima de 30 metros, apresenta 3 articulações e para circular necessita de autorização.

Como escolher os tipos de caminhão ideal?

Para escolher os melhores tipos de caminhão, é preciso entender que eles são classificados conforme sua categoria, capacidades de carga e finalidade. Esses pontos são cruciais para viajar de forma segura e de acordo com as leis.

De modo geral, existem os modelos para cargas leves, que são mais indicados para perímetros urbanos e cargas pesadas, utilizado no transporte rodoviário de insumos pelo país. Então, entenda com detalhes os critérios de escolha sobre os tipos de caminhão ideal logo abaixo.

Capacidade suportada

Seguir o limite de capacidade suportada é uma regra obrigatória determinada pelo Contran, pois dessa forma promove melhor segurança com prevenção de problemas como acidentes e situações relacionadas à infraestrutura da estrada devido ao fato de o asfalto sofrer mais danificações se não houver o parâmetro ideal sobre o limite de cargas. Logo, é uma exigência imposta pelo governo federal.

Além disso, resulta em uma deterioração mais rápida do veículo com manutenção mais frequente de pneus, manutenção etc. De forma geral, a capacidade máxima é separada em três categorias:

  • veículo urbano: capacidade de 3 toneladas;
  • caminhões semipesados: capacidade de 6 toneladas;
  • caminhões pesados: capacidade de 10 a 14 toneladas.

Outro ponto importante é o peso bruto máximo. Respeitá-lo é questão de segurança com a própria vida. Para entender melhor, os modelos semipesados possuem capacidade bruta máxima (veículo + capacidade máxima) de 16 toneladas e o caminhão pesado, 23 toneladas. Exceder esses limites, além de riscos de acidentes, poderá multas e ter a carga apreendida.

Planejamento de custos

Esse é outro critério bastante importante na hora da escolha dos tipos de caminhão, pois a depender da marca, do valor das peças e da qualidade do motor, ele interfere no preço das manutenções periódicas. Dessa forma, além de escolher o modelo exato sobre o tipo de carga, demanda e estrada, conhecer a procedência do veículo é fundamental, principalmente em caso de locações em que pesquisar a reputação da empresa é imprescindível.

Além disso, é preciso inserir no planejamento questões sobre as inovações tecnológicas. Afinal, elas são um fator estratégico que garante melhor competitividade indiretamente por melhorar a produtividade, além de simplificar a vida do motorista. Por exemplo, eles podem notificar o momento em que é necessário realizar manutenções e falhas durante o trajeto na estrada. Inclusive, contribuem na economia de diesel e possuem rastreabilidade, computador de bordo, câmeras e sensores.

É por essa razão que a locação costuma ser mais vantajosa que comprar veículos pelo simples fato de que as manutenções precisam ser planejadas minuciosamente para melhor economia possível, além dos veículos estarem nos parâmetros da lei.

Registre as manutenções

Essa é a etapa mais importante, a qual interfere diretamente nos gastos com o veículo e auxilia nas negociações para revenda. Portanto, tenha sempre o registro de revisões para ter maior poder de barganha, pois a valorização se dará na boa conservação do caminhão. Inclusive, nos casos de aquisição de um modelo mais novo, pesquise na Tabela Fipe e calcule os valores que deverão ser adicionados na nova compra.

Observe a vida útil dos principais fatores como tração, pneu e suspensão, já que eles interferem diretamente na durabilidade de qualquer transporte. A depender do estado destes componentes, o valor poderá ser reduzido. Medidas que podem ser utilizadas para auxiliar na durabilidade desses componentes são mapear todas as rotas de trabalho e levantar a qualidade das estradas.

A depender do seu estado, vale a pena mudar a estrada. Para a decisão, fatores como consumo de combustível e riscos de manutenção devem ser observados minuciosamente.

É indispensável ficar atento aos critérios de seleção dos tipos de caminhão para ter o veículo ideal para os transportes de carga da sua empresa. Isso evitará imprevistos e manterá sua empresa dentro da lei. A escolha do modelo errado acarretará maiores manutenções e prejuízos, inclusive devido ao tempo estacionado, podendo gerar rentabilidade aos negócios.

Analisar essas etapas requer bastante organização e planejamento minucioso para otimizar todos os gastos possíveis. Contudo, uma das soluções mais eficientes para promover melhor fluidez é contratar um serviço de locação com uma empresa especializada e com excelente suporte logístico.

Caminhões Armac

A Armac é especializada na locação de maquinários pesados principalmente para os setores do agronegócio, construção civil e transporte de cargas. Oferecemos uma gestão completa e profissional, oferecendo entrega completa para os nossos clientes, não importa a região e a distância.

Dessa forma, oferecemos um vasto catálogo incluindo diversos tipos de caminhão, com serviço de qualidade e conforme a necessidade de cada cliente. Desse modo, o frete subsidiado fica garantido, pois trabalhamos de forma independente, sem precisar de nenhuma outra empresa.

Qual o caminhão que você procura? Precisa de uma locação para transporte de cargas? Então, entre em contato conosco e tenha à sua disposição os melhores modelos de caminhões do Brasil!