Lean construction: saiba o que é e quais são os benefícios de adotá-la

  • Engenharia

Agilidade, eficiência e economia: esses são alguns dos fatores mais importantes no canteiro de obras, pois estão diretamente relacionados à qualidade dos seus projetos. Sendo assim, aproveitamos o dilema para elaborar este post sobre os princípios do lean construction.

Como perceberá durante a leitura, essa é uma metodologia fundamental para quem busca aperfeiçoar os processos da construção civil, diminuindo custos, eliminando redundâncias e acelerando etapas. Portanto, não perca tempo e acompanhe!

O conceito de lean construction

Como sempre, a melhor forma de entender uma ideia é destrinchando o significado do seu próprio nome. Em uma tradução direta, a expressão lean construction equivale à metodologia de construção enxuta, ou seja, trata-se de um conceito focado na sustentabilidade operacional.

Origem

Mas antes de mergulharmos no tema, vale a pena dar alguns passos para trás e enxergar como tudo isso começou. Afinal, o lean construction nem sempre foi uma realidade, mas sim uma preocupação que ganhou corpo ao acompanhar as tendências aplicadas na indústria.

Em retrospecto, avaliamos que tudo começou em 1908, o ano em que o Ford Model T fora lançado. Como você deve lembrar, isso foi um marco para a história da engenharia, sendo o primeiro veículo a ser fabricado em larga escala — introduzindo o revolucionário conceito da linha de produção.

Desse ponto, avançamos alguns anos sobrevoando a Segunda Guerra Mundial para prestarmos atenção no Japão. Esse é um recorte histórico importante para a nossa explicação por conta uma dupla de engenheiros da Toyota, Taiichi Ohno e Eiji Toyoda.

Colaborativamente, eles criaram um sistema de gestão da produção focado na sustentabilidade operacional, inspirados na escassez de recursos do Japão pós-guerra — um projeto que levou décadas para ser aperfeiçoado, até ser oficializado como o Sistema Toyota de Produção, STP.

Já no início da década de 1990, o método da montadora japonesa foi utilizado para desenvolver o conceito de Lean Manufacturing (Manufatura Enxuta), descrito originalmente no livro “A Máquina que Mudou o Mundo”, escrito por três pesquisadores da área — Womack, Roos e Jones.

Princípios

Em essência, o conceito da lean construction é profundamente inspirado na lean manufacturing, pois pregam os mesmos princípios, aproveitando dos mesmos benefícios:

  • diminuição de logística, deslocamento e manuseios desnecessários (JIT – just in time);
  • identificação e eliminação de etapas redundantes;
  • inteligência aplicada na estocagem;
  • otimização no uso dos insumos;
  • redução de perdas;
  • e muito mais!

Particularidades

Então, observando tudo que a lean manufacturing revolucionava no ambiente industrial, o pesquisador Lauri Koskela converteu essa metodologia para o setor da construção civil, utilizando de sua expertise para adaptar a transição do método para o fluxo de trabalho das obras.

Para isso, Koskela avaliou as características fundamentais da construção, reconhecendo que nem tudo poderia ser aproveitado da ideia original. O principal exemplo de adaptação é justamente o ambiente de trabalho, bem como as necessidades dos clientes, circunstâncias que mudam a cada novo projeto.

Por isso, o conceito da construção enxuta precisou ser atualizado, considerando cada detalhe e criando um método voltado à economia — reduzindo custos e desperdícios —, à eficiência — eliminando etapas que não agregam valor — e à previsibilidade, com a padronização dos processos e o aumento da segurança no trabalho.

Diferença em relação à construção tradicional

A diferença é uma questão de ponto de vista, ou seja, a abordagem realizada pelo profissional em comando. A construção tradicional enxerga a execução de um projeto de maneira um pouco limitada, entendendo que toda a produção é uma só, fragmentada em subprocessos, como se todos fossem fundamentais.

Já a metodologia enxuta, olha para a construção como um projeto que compila dois tipos de atividades: as que geram valor e as que não. As primeiras são aquelas objetivamente remuneradas pelo contratante, como o emprego da mão de obra e a construção em si.

Já as que não geram valor são aquelas atividades intermediárias pelas quais o seu cliente não paga, como o tempo desperdiçado em esperas, a movimentação de cargas — o fluxo de materiais —, a inspeção e assim por diante.

Sendo assim, a metodologia enxuta olha para a construção buscando vulnerabilidades, enquanto a tradicional acredita que essas pequenas ociosidades fazem parte de um todo — o que, econômica e temporalmente, acaba sendo prejudicial para a operação.

As principais vantagens desse conceito

Agora, vamos para o miolo deste conteúdo! Afinal, o que realmente convence engenheiros e gestores a mudar de estratégia são os benefícios que uma novidade pode oferecer à sua operação. Então, acompanhe!

Economia

A começar pela vantagem mais atrativa de todas. Da forma como percebemos o tempo de ciclo de trabalho, a economia aparece como uma resposta positiva a uma série de fatores, como a redução do desperdício dos materiais, a aplicação da logística integrada, o maior tempo produtivo, o aumento da velocidade na execução dos projetos e a tomada de decisões financeiramente inteligentes, como a locação de máquinas.

Produtividade

Já aqui, temos um benefício que é possível por conta de muitas práticas que tornam a construção mais econômica. Mas essencialmente, a operação se torna mais produtiva pela otimização do tempo, eliminando etapas redundantes, refações e intervalos ociosos.

Para que, é importante obedecer aos calendários de manutenção preventiva, examinar os processos, evitar deslocamentos desnecessários e extrair o máximo de cada hora trabalhada.

Modernização

A terceira vantagem é o uso da tecnologia. Afinal, uma das formas mais clássicas de agilizar a construção é com o uso de soluções informáticas. Plataformas de gestão de custos para o canteiro de obras lhe possibilitarão consumir menos recursos e mapear melhores formas de aumentar o valor percebido pelo cliente final.

Outro exemplo de participação tecnológica é por meio dos equipamentos empregues na construção. Com um bom acompanhamento financeiro, a gestão do projeto pode decidir entre comprar ou alugar maquinário, recorrendo à opção mais eficiente em termos de custo, eficiência e disponibilidade.

Aproveitamento

Por último, contudo, talvez mais importante, a extração do potencial da equipe. Até porque um dos focos de desperdício observados pela lean construction é o de capital intelectual, ou seja, a subutilização de profissionais competentes no canteiro de obras.

A construção enxuta é uma filosofia que se presta a fazer o máximo possível com os recursos disponíveis, e contempla desde a construção de edifícios até grandes complexos fabris. Por isso, é exigida a percepção do gestor para identificar profissionais ociosos e colocá-los em posições estratégicas, fazendo com que cada um participe do projeto no auge de suas competências conseguindo aumentar a produtividade em plenitude operária.

Você gostou deste post? Então, aproveite para se aproximar dos nossos conteúdos, recebendo atualizações diretamente em suas redes. Para isso, basta seguir as nossas páginas no Facebook, LinkedIn, Twitter e YouTube!