Obras de saneamento: funcionamento e máquinas necessárias!

  • Engenharia

Entre as obras públicas, as de saneamento certamente estão entre as mais importantes. O governo federal vem investindo alto nesse setor, principalmente depois do novo Marco Legal de Saneamento, ou seja, a Lei nº 14.026/2020.

Para realizar uma obra sustentável, é importante utilizar as máquinas corretas da forma adequada, seguindo um modelo de trabalho atualizado. É sobre esse assunto que falaremos neste artigo. Confira como as obras de saneamento funcionam e quais são as máquinas usadas nesse trabalho!


Locação de Equipamentos – Alugue Online

O equipamento ideal para o seu projeto aqui


O que são obras de saneamento?

As obras de saneamento são, portanto, obras públicas ou privadas relacionadas a serviços e a infraestruturas de distribuição e abastecimento de água, coleta e tratamento de esgoto, limpeza urbana, manutenção de resíduos sólidos, águas pluviais e drenagem. As diretrizes do saneamento básico estão definidas na Lei nº 11.445/2007.

A ausência de saneamento básico é um grave problema do Brasil. Com um sistema deficiente de tratamento de esgoto, a proliferação de doenças é uma consequência que afeta a qualidade de vida de pessoas de todas as idades, principalmente daquelas que vivem em regiões insalubres, perto de esgotos a céu aberto.

Os casos recorrentes de doenças arbovirais são um exemplo bem nítido. São as doenças cujos vetores de transmissão são insetos, como pernilongos e carrapatos (dengue, Zika, Chikungunya, febre amarela).

Existem redes de saneamento precárias e desiguais do ponto de vista social. Abastecimentos irregulares são um grande transtorno, bem como a água perdida no sistema de distribuição, que se transforma em esgoto antes de alcançar as residências. Também há problemas nas atividades de coleta de resíduos e de drenagem.

Considere um pouco mais sobre as diferentes obras de saneamento básico:

Distribuição de água potável

O acesso à água de boa qualidade se efetiva por meio do tratamento e da distribuição do produto com o auxílio de uma companhia de saneamento.

A água é fundamental para o desenvolvimento e a sobrevivência de um povo. O acesso à água potável, na África Subsaariana, reduziu a mortalidade de crianças quase pela metade — o que confirma a importância desse bem tão precioso para a vida na Terra.

No Brasil, ainda há mais de 35 milhões de pessoas que não têm acesso à água potável. Uma realidade que não condiz com a riqueza de recursos hídricos que existem no país.

Coleta e tratamento de esgoto

Existem basicamente três tipos de sistemas de esgoto modernos: os esgotos sanitários (que transportam águas residuais de residências e empresas para as estações de tratamento de águas residuais), os esgotos pluviais (também chamados de esgotos de águas superficiais) e os esgotos combinados (que usam um único tubo para transportar tanto as águas residuais quanto as águas pluviais para as estações de tratamento de águas residuais).

A relevância do sistema é evidente, a fim de que não ocorram efeitos adversos aos seres humanos ou ao meio ambiente. Por isso, deve não apenas ser projetado e construído, mas também cumprir um esquema adequado de manutenção, de modo que sempre funcione corretamente.

Drenagem urbana

A drenagem é o processo responsável por lidar com as águas pluviais. Embora aparente ser uma simples pavimentação, ela exerce muita influência na natureza, no planejamento urbano e até no ciclo hidrológico.

Um sistema de drenagem é fundamental para evitar o assoreamento de corpos hídricos devido ao excesso de pavimentação. Esse sistema impede que alagamentos causem danos às cidades.

É obrigatório que o planejamento urbano ofereça serviço de drenagem, definindo, entre outras coisas, o percentual de áreas impermeáveis, inclusive as pavimentações com concreto usinado.

Hoje, a impermeabilização do solo e o desmatamento dispersam a água com mais rapidez, evitando que se forme um clima úmido e interferindo no regime de chuvas.

Coleta de resíduos sólidos

A coleta de lixo está ligada diretamente à limpeza urbana. O lixo coletado é encaminhado para tratamento e disposição final.

Conforme a coleta seletiva, cada tipo de lixo é tratado de forma diferente e recebe também disposição específica.

Na coleta e tratamento do lixo, há um dos mais altos percentuais de economia circular, já que reduz a produção de resíduos e reaproveita-os como matéria-prima.

O lixo, por exemplo, é transformado em matéria-prima para produzir biodiesel, abrasivos e cosméticos. Algumas indústrias, como as sucroalcooleiras, transformam o bagaço da cana-de-açúcar em energia elétrica para a realização de suas atividades.

Quais são os desafios dessas obras?

Boa parte da população brasileira, principalmente no Nordeste e no Norte, não usufrui de saneamento básico adequado.

De acordo com o Instituto Trata Brasil, somente 49% dos esgotos brasileiros são tratados. Um pouco mais da metade de nossa população (54%) habita em lugares que têm acesso à rede de coleta de esgotos.

Trata-se de um grande problema, já que o saneamento se relaciona diretamente à qualidade de vida das pessoas. Ainda conforme o Trata Brasil, aproximadamente 4 milhões de brasileiros não usufruem de acesso a um banheiro.

Em certas áreas, a forma como os imóveis são construídos tornam inviável a distribuição de água encanada. A população mais prejudicada é aquela com menor poder aquisitivo, que habita em terrenos irregulares, desprovidos de uma boa infraestrutura para a distribuição de água encanada e para os serviços de coleta de lixo e tratamento de esgoto.

Iniciativa governamental e privada

As obras de saneamento requerem investimento financeiro, vontade política e aplicação de tecnologias e técnicas inovadoras. Os métodos modernos que conduzem água para locais remotos e de difícil acesso não compensam os custos com a instalação de sistemas desse tipo.

Sem serviços de coleta e de tratamento de esgoto nem água potável, aumentam os riscos de aparecimento de doenças, o que também aumenta as despesas com a saúde pública.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) afirma que, para cada investimento de um dólar em obras de saneamento, obtém-se uma economia aproximada de quatro dólares.

De acordo com a Confederação Nacional da Indústria (CNI), se o saneamento básico fosse aplicado de forma universal, ele geraria uma economia de R$ 1,45 bilhão por ano, considerando que o número de internações seria menor. Da mesma forma, cairia o índice de absenteísmo nas escolas e nos ambientes de trabalho.

Atrasos

Ainda que haja grande necessidade, muitas obras de saneamento estão atrasadas no país. Um dos motivos para esse atraso é a paralisação de contratos desde 2019, após o PAC (Programa de Acesso aos Recursos de Saneamento) ser extinto. O governo encerrou esse programa para reduzir despesas.

Consequentemente, contratos caros não foram levados adiante. Conforme dados do TCU, o Tribunal de Contas da União, os valores são estimados em mais de R$ 12,6 bilhões. Há ainda projetos mal qualificados e escassez de recursos nos municípios e nos estados.

Muitas cidades não apresentam um Plano de Saneamento Básico, um documento fundamental para que se planeje a infraestrutura de saneamento.

Enfim, podemos resumir os principais desafios e gargalos no setor de saneamento do Brasil em:

  • projetos executivos mal elaborados ou atrasados;
  • processos de licitação atrasados (como licitações abertas que acabam desertas e precisam de revisão nos orçamentos);
  • casos de impugnação;
  • contratos reprogramados com prazos estendidos ou ampliação de escopo ou subdivisão em etapas que exigem licitações e contratações mais definidas;
  • rescisão de contratos por abandono de obras ou não cumprimento dos prazos;
  • cancelamento de projetos.

Como são feitas no Brasil?

As obras de saneamento são planejadas e seguem etapas que devem ser seguidas para garantir a execução adequada de tudo que foi planejado:

Etapas das obras de saneamento

As etapas no projeto e execução das obras de saneamento se dividem em:

  • iniciação;
  • planejamento;
  • execução e controle;
  • encerramento.

Vejamos cada uma delas:

Etapa de iniciação

Essa primeira etapa avalia o estudo dos projetos que serão realizados e da área em questão, abrangendo

  • projetos elaborados;
  • especificações;
  • memorial descritivo;
  • padrões e procedimentos de execução;
  • normas de execução;
  • cumprimento da legislação pertinente;
  • contrato entre o órgão contratante e a empresa contratada.

Etapa de planejamento

Nessa segunda etapa, são realizadas a avaliação e a definição do planejamento, das etapas, dos elementos para executar a obra. Trata-se de um trabalho feito conjuntamente com a empresa contratada e o contratante.

Etapa de execução e controle

Nessa etapa, são realizados o monitoramento e a fiscalização do trabalho que está sendo executado. Como nas outras etapas, é importante uma integração saudável entre as partes envolvidas:

  • empresa que administra a obra;
  • empresa que executa a obra;
  • órgão que contratou o serviço.

Esse entendimento ajudará a definir as melhores soluções para otimizar a qualidade da obra e para diminuir gastos.

Etapa de encerramento

Essa etapa é de enorme relevância para avaliar os resultados positivos e negativos durante a execução do projeto: se realmente a ideia original está sendo cumprida.

Assim, após o acompanhamento e a fase de execução, a finalização se realiza com as atividades abaixo:

  • apresentação de um relatório que registra os pontos fortes e fracos que aconteceram durante a execução do projeto;
  • apresentação de um relatório que registra os pontos fortes e fracos que se deram durante a gestão da obra;
  • estudo comparativo entre o custo inicial previsto e o custo efetivo da obra, bem como a participação da gestão nesse sentido.

Responsabilidades do projeto

Na gestão de obras de saneamento, destacam-se as seguintes responsabilidades:

  • aprimorar a qualidade na execução da obra;
  • assegurar um custo compatível com a efetivação dos serviços;
  • prezar por um trabalho transparente;
  • investir na segurança do projeto;
  • assegurar que a execução da obra não seja prejudicial ao contratante.

Vantagens de contratar uma empresa especializada

As principais vantagens em contratar uma empresa especializada na gestão de obras de saneamento são:

  • aumento na qualidade das obras;
  • transparência na realização do projeto;
  • segurança garantida oferecida à empresa contratante, aos órgãos de controle e à população beneficiada;
  • redução dos gastos iniciais previstos;
  • ajuda na demanda de soluções para imprevistos.

Quais são as máquinas usadas no preparo?

Vamos analisar agora as máquinas que podem ser usadas, de um modo geral, na fase de preparo das obras de saneamento. Isso porque o saneamento, como já ressaltamos acima, envolve diferentes operações (distribuição de água, coleta e tratamento de esgoto, drenagem, tratamento de resíduos).

Para a preparação do terreno, ou seja, em uma etapa pré-operatória, podemos citar os rolos compactadores de solo, que são equipamentos que deixam o terreno mais denso, resistente e compacto. São fundamentais para deixar plano um perímetro de trabalho.

É possível também usar os mini rolos compactadores, usados em espaços menores por causa de seu elevado nível de precisão. Apesar de seu menor tamanho, eles oferecem muita potência de compactação.

Esses equipamentos têm alta adesão pelas obras de saneamento, pois, em sua maioria, podem ser operados à distância por controle remoto. Assim, favorecem a segurança dos operadores que se colocariam em risco na criação e na compactação de valas, taludes e afins.

Nesse sentido, as motoniveladoras também são úteis. São máquinas utilizadas na construção de curvas de nível e nas operações de terraplanagem, muito comuns na fase preparatória desses tipos de projetos.

Quais são as máquinas usadas na operação?

Muitas máquinas podem ser usadas durante as operações de saneamento. É o caso das escavadeiras e retroescavadeiras, úteis em drenagem de canais e açudes e outras operações, como fundações, nivelamentos e movimentação geral.

Retroescavadeira, escavadeira

As manutenções nos sistemas de abastecimento, por exemplo, são o motivo de muitas discussões no meio técnico devido ao elevado investimento que é exigido nessas atividades. Lugares em que o acesso é difícil são um grande desafio para a realização dessas operações.

Para realizar manutenções (trocas de tubulações ou ligações de novos pontos de água), são necessários, no mínimo, seis equipamentos:

  • veículo para deslocamento dos profissionais;
  • veículo com ferramentas;
  • caçamba;
  • retroescavadeira;
  • guindaste para movimentar cargas;
  • ferramentas como compactador de solo, cortador e rompedor de asfalto, bombas de água e outras (que funcionam a combustível ou a eletricidade) que podem oferecer riscos às operações.

Uma retroescavadeira versátil pode substituir os seis equipamentos: carro, caçamba, retro, baús para acondicionar ferramentas e outros materiais, guindaste, engate rápido para ferramentas hidráulicas.

Um equipamento assim oferece vantagens como:

  • é autocarregável com diferentes materiais (brita, areia, canos e assim por diante);
  • tem lança telescópica com grande profundidade de escavação;
  • possui caçamba basculante;
  • atinge ângulo de giro de 420º;
  • não impede o trânsito nas operações.

Em alguns casos, a escavadeira pode receber conexões de engate rápido como bomba de água, cortador de asfalto, rompedor e outros.

Miniescavadeira

Em substituição à escavadeira, existe a miniescavadeira, uma máquina que efetua trabalhos similares, mas apresenta menor porte. Ela é ideal para espaços de menores dimensões, gerando alta produtividade e conferindo mais agilidade nos serviços. As miniescavadeiras podem ser transportadas em caminhões com relativa facilidade.

Trator de esteira

Os tratores de esteira, chamados de tratores de lâmina, são máquinas que servem de apoio para as pás carregadeiras e as escavadeiras em diferentes situações.

Manipulador telescópico

Os manipuladores telescópicos também são importantes durante a operação, fazendo movimentação e içamento de cargas, ferramentas e outros materiais. O braço telescópico permite alcançar locais de acesso mais complicado.

Torre de iluminação

Equipamentos que fazem a diferença nas atividades noturnas são as torres de iluminação, que permitem maior visibilidade em determinadas situações. Assim, o trabalho progride, evitando-se atrasos e até se adiantando o cronograma.

Quais são as máquinas usadas na finalização?

Os caminhões basculantes podem ser usados durante todas as etapas, inclusive na finalização e no preparo, transportando materiais e outros equipamentos. Eles são recorrentes nos serviços de carga e descarga, abastecimento e limpeza. Pás carregadeiras e escavadeiras também são valiosas nas operações finais, removendo entulhos e fazendo, assim, a limpeza do local.

A coleta de lixo pode ser classificada como uma etapa de finalização. Nessa operação, os caminhões são fundamentais para realizar a limpeza urbana, carregando o lixo para aterros e locais onde ele será reciclado e reaproveitado.

Nos aterros, mais uma vez, vemos a necessidade de máquinas pesadas como as pás carregadeiras, para disposição dos materiais. O uso de aterros sanitários está cada vez mais limitado, já que a prioridade é dada ao tratamento e a outras formas de destinação, para reduzir a quantidade de passivos ambientais.

Quais são os prazos das obras de saneamento?

Considerando as dificuldades no setor, a CNI realizou uma projeção antes do surgimento do Novo Marco Legal do Saneamento. Segundo essa projeção, a universalização das obras de saneamento só seria alcançada em 2052.

Porém, com a entrada do setor privado e a nova lei, a estimativa é que a universalização aconteça no Brasil até 2033. O prazo para fornecer água potável a 99% da população e serviços de coleta e tratamento de esgoto a 90% da população é até 31 de dezembro de 2033, incluindo o alcance de outras metas:

  • redução de perdas;
  • não intermitência do abastecimento;
  • otimização dos processos de tratamento.

Em relação aos contratos de prestação de serviços que estão ativos, o prazo para incluir metas de universalização do fornecimento de água potável e esgotamento sanitário passou de 31 de março de 2022 para 30 de novembro do mesmo ano.

As cidades brasileiras têm até 31 de dezembro de 2022 para definir Planos de Saneamento Básico. É o que dispõe o Decreto nº 10.203/2020, que regulamenta a já citada Lei nº 11.445/2007. Conforme determina essa lei, todos os municípios devem elaborar o plano.

A partir de 2023, será requisitado esse plano a fim de que todos os municípios tenham acesso a recursos do MDR (Ministério do Desenvolvimento Regional) para obras e ações de saneamento básico. Essa regra é aplicável ao OGU (Orçamento-Geral da União) e às linhas de financiamento que fazem uso de valores do FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço).

Qual é a importância delas e seus pontos de atenção?

As obras de saneamento estão relacionadas diretamente à qualidade de vida e à saúde da população. Quanto maior o acesso a elas, menor os índices de mortalidade infantil e de internações devido a problemas gastrointestinais e maior a longevidade.

Evitam enfermidades e problemas diversos para as pessoas

As enfermidades referentes à falta de saneamento resultam em infecções frequentes e prejudicam a performance de crianças e de adolescentes nas escolas, já que as afastam das instituições de ensino por um determinado período.

De forma similar ocorre com a produtividade dos profissionais, os quais também se afastam do ambiente de trabalho por causa de doenças relacionadas ao saneamento precário.

Estimulam o desenvolvimento social, econômico e ambiental

Por outro lado, investimentos na área causam impacto benéfico no valor dos ativos e na renda gerada. Obras de saneamento ajudam na geração de renda e promovem empregos que estimulam o desenvolvimento da economia brasileira. De modo semelhante, estimulam o desenvolvimento social, considerando que se relacionam com o IDH (Índice de Desenvolvimento Social).

Deficiências no tratamento de esgoto geram impactos negativos sobre o meio ambiente. Podem comprometer e eliminar o potencial de turismo de uma região e, naturalmente, comprometem ainda a segurança hídrica.

Como ter máxima eficiência nas obras de saneamento?

Os projetos de engenharia em tratamento de água, esgoto e resíduos são complexos e multidisciplinares, envolvendo atividades químicas, eletromecânica, mecânica, construção civil e automação. Para assegurar a eficiência desses sistemas, é fundamental que haja integração entro todas as atividades.

Tecnologia

A aplicação correta da tecnologia promove efeitos positivos na cadeia produtiva, gerando mais produtividade e ganhos de eficiência. Ela se faz presente nas etapas de tratamento de:

  • água: captação, tratamento, bombeamento, processo físico-químico, recuperação de água, disposição de lodo;
  •  esgotos: coleta, tratamento, equipamentos de elevação, primário/secundário, controle de odores, disposição de lodos, terciário/reuso;
  • resíduos sólidos: compostagem, incineração, secagem térmica, secagem solar.

Máquinas e equipamentos

É importante contar com as máquinas certas para realizar cada operação, providas dos recursos necessários e controladas por profissionais capacitados que, além de dominarem o uso do equipamento, sejam prudentes e usem os equipamentos de proteção indispensáveis para sua segurança e para a segurança de terceiros.

Também é recomendável considerar a possibilidade de utilizar uma máquina mais versátil, que possa reunir vários recursos, de modo a otimizar o trabalho.

A capacidade de uma máquina de receber diferentes implementos promove maior produtividade e praticidade na execução das obras. Soluções mais dinâmicas tendem a reduzir custos, a oferecer mais segurança, a otimizar o tempo em atividades que, em geral, são mais difíceis, mais complexas e mais demoradas, que envolvem mais riscos e acabam consumindo mais recursos financeiros. Equipamentos assim podem diminuir em até 60% os gastos com saneamento.

Gerenciar as obras de saneamento é fundamental para que o projeto seja executado com a melhor qualidade, o que impacta de forma positiva para a comunidade e para a empresa que contratou o serviço.

A gestão ainda garante que os custos da obra sejam monitorados com eficácia, buscando a melhor aplicabilidade dos recursos disponíveis, sejam privados, sejam públicos.

O que achou do conteúdo? O que pensa a respeito das obras de saneamento no Brasil? Quais são as dificuldades que encontra para a realização de um bom trabalho nesse sentido? Aproveite para deixar seu comentário e compartilhe suas ideias com a gente!