Como os maquinários impactam a movimentação e embarque de cargas a granel

  • Logística

O Brasil é um país de proporções continentais e sua costa é bastante extensa. Nesse sentido, o transporte aquaviário realmente é um diferencial, especialmente para as cargas a granel. Essa carga tanto pode ser transportada ao longo da costa quanto exportada por meio do oceano para outros continentes.

Para a movimentação e o embarque de grãos, é importante contar com um maquinário específico. Sem ele, as operações certamente ficarão prejudicadas, haverá atrasos e, provavelmente, muitas perdas. Neste artigo, falaremos mais sobre a importância dessas máquinas nesse processo. Confira!

Por que é importante um maquinário ideal para as cargas a granel?

A movimentação nos portos nacionais é grande. Nesses locais, a prática mais comum envolve os rechegos, ou seja, a movimentação da carga entre os pátios, realizada por máquinas pesadas, como tratores e pás carregadeiras, por exemplo.

Não importa se a carga é de grãos de soja, milho, café ou outro produto. É necessário analisar a capacidade de embarque de cada armazém. Somente dessa forma, a máquina certa consegue ser direcionada para a proposta de trabalho sem prejudicar a produção e a eficiência, mantendo, ao mesmo tempo, o funcionamento seguro da linha logística.

Quais são os cuidados específicos que esse tipo de movimentação requer?

Na rotina de embarque, é preciso tomar muitos cuidados. Primeiramente, o dimensionamento dos equipamentos é um ponto relevante. Para isso, é preciso considerar o fluxo de descarga do armazém para se certificar se realmente será preciso utilizar determinada máquina.

Os armazéns de embarque têm um espaço gradeado no qual as cargas a granel são despejadas do alto (por fluxo) sobre uma correia transportadora. Quando elas param de cair, duas pás carregadeiras (uma de cada lado) vão fazendo o rechego para que os grãos continuem caindo.

A correia transportadora, por meio de sua correia contínua (chamada esteira transportadora), conduz os grãos até o navio.

Como as operações são realizadas em armazéns, com elevado risco de chamas e incêndios, é fundamental trabalhar com equipamentos preparados.

Durante a limpeza do sistema de arrefecimento, os equipamentos devem ser removidos. A depender do tipo de armazém, essa limpeza pode ser feita a cada duas ou três horas.

Há que se considerar ainda, a nível de segurança, a baixa visibilidade dentro dos armazéns, que gera riscos para os operadores. Existem, portanto, itens de segurança primordiais na preparação dos equipamentos. Também são exigidos certos procedimentos operacionais, como entrada não permitida de nenhum outro colaborador no armazém (em casos de urgência, pode ser realizada uma comunicação por meio de rádio).

Como esse maquinário melhora a eficiência e a produtividade?

As máquinas contribuem de formas diversas para melhorar a produtividade e a eficiência na movimentação de cargas a granel. O sistema de ventilação reversível de fábrica diminui a necessidade de saída dos equipamentos para a limpeza dos sistemas de arrefecimento.

Outro ponto é o dimensionamento correto, que garante a máquina no tamanho certo para a operação que será feita. Nesse quesito, dois pontos são relevantes:

  • equipamento melhor dimensionado aumenta a produtividade, pois permite a realização de rechegos com mais facilidade (sem forçar demais uma máquina com potencial inferior ao necessário e sem ocupar muito espaço com uma máquina muito grande);
  • redução de custos, pois quando se coloca uma máquina muito pequena para determinada operação, será necessário forçá-la mais, o que implica em consumo mais elevado de combustível (além disso, aumenta o risco de indisponibilidade do equipamento, que pode não suportar a operação).

Vale falar sobre a configuração de caçamba do equipamento, baseada em carga operacional e peso de tombamento. O aumento da caçamba para operações de rechegos também tende a aumentar a produtividade.

Como esse maquinário promove mais segurança na movimentação de cargas a granel?

A partir da escolha do equipamento certo, é possível minimizar os riscos de incêndios dentro do armazém e de acidentes em geral, envolvendo os operadores.

Essa escolha deve levar em conta principalmente o tipo de armazém. A análise de um consultor, com conhecimento técnico suficiente sobre o assunto, contribui para uma boa escolha na hora de locar a máquina.

De que modo há redução de perdas?

Com os equipamentos corretamente dimensionados, é possível evitar perdas durante os rechegos das cargas a granel. O subdimensionamento, portanto, implica em custos mais altos, pois a operação pode não ser realizada como deveria, o equipamento pode ser danificado (exigindo mais manutenções corretivas) e tende a consumir uma quantidade mais alta de combustível. Da mesma maneira, um equipamento superdimensionado custa mais caro para a empresa e também pode comprometer a produtividade.

O maquinário mais moderno, como vimos, também evita perda de tempo e produtividade com a remoção do equipamento do armazém a cada duas ou três horas para a limpeza do sistema de arrefecimento.

Como a locação de equipamentos é um investimento eficaz para esses maquinários?

Segundo Vanessa Dias, gerente comercial na Armac, a locação contribui para reduzir gastos com compras e manutenções de equipamentos mais modernos e caros. Além de investir em mecânicos e operadores, é necessário fazer correções periódicas e comprar peças. O estoque de peças em frota própria tende a ser maior que o necessário devido à falta de um conhecimento maior do gestor sobre o assunto.

Reduz riscos de indisponibilidade da máquina, que pode gerar prejuízos à empresa em função de atrasos na hora do embarque. A locadora disponibiliza a máquina no momento que o cliente precisa.

Também é possível reduzir custos e perdas com a locação aliada à prestação de serviços, já que a empresa contratante disporá de uma equipe especializada. O know- how específico sobre movimentação e embarque que esses profissionais possuem, permite à empresa diminuir riscos de falhas nas operações e processos e focar no core de seu negócio.

Mesmo considerando o financiamento, a locação pode sair mais vantajosa em diferentes sentidos:

  • menor preço;
  • redução de custos com máquina parada;
  • redução de perdas com indisponibilidade (máquina quebrada, por exemplo);
  • eliminação de atrasos;
  • maior produtividade.

Vale lembrar que, na locação, é possível disponibilizar um novo equipamento em até algumas horas, caso não seja possível a manutenção corretiva em tempo hábil.

A escalabilidade e a flexibilidade da locação são diferenciais relevantes. Ela absorve bem a movimentação de grãos por período (sazonalidade). Durante a safra e a entressafra, são disponibilizadas máquinas conforme a demanda, evitando a ociosidade durante um tempo. No período de baixa produtividade, a locação possibilita a desmobilização de equipamentos.

Além disso, caso seja preciso, em uma operação de embarque de cargas a granel, a necessidade emergencial de outra máquina complementar, a locadora tem condições de disponibilizar esse equipamento. Bem mais prático e barato que ter que comprar outra máquina.

A Armac

A Armac oferece diferenciais importantes quando se trata de locar equipamentos para trabalhos que envolvem cargas a granel. Primeiro, temos know-how em operações pesadas em todos os segmentos, o que evita improdutividade e atrasos. Junto disso, oferecemos disponibilidade, gestão de riscos, manutenção, bom atendimento, relatórios de desempenho por máquina e alta confiabilidade (principalmente em relação a questões trabalhistas, evitando que a empresa-cliente se envolva em corresponsabilidade).

O que acha? Ficou interessado em locar equipamentos conosco para operações de embarque de grãos? Então, entre em contato agora mesmo com a Armac Locação!